Total de visualizações de página

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Confesso que vi!!


   

                        1ª Parte  -  Esperando pela Hora - ( Diário de um Beatlemaníaco )


Quando os rumores de uma nova vinda de Paul McCartney ao Brasil começaram a esquentar em agosto deste ano, em princípio não acreditei. Várias vezes nos últimos anos corriam boatos sobre a vinda de Macca à América do Sul, mas eles não se confirmaram.
Porém, quando a RBS anunciou que haveria 3 concertos no Brasil e um deles em Porto Alegre, o bicho pegou!!
Seria difícil deixar de assistir o show em São Paulo ou Buenos Aires, mas para a capital gaúcha, não havia desculpa alguma.
Para completar, o glorioso Sport Club Internacional – em vias de disputar mais um título de Campeão Mundial FIFA – entrou na jogada e o esquema foi fechado para uma apresentação no dia 07 de novembro, no estádio sagrado conhecido como Gigante da Beira-Rio!
Pensei comigo mesmo: Paul McCartney e Internacional juntos.... Estaria eu sonhando? Não, caros amigos, era tudo realidade!


Primeira providência: comprar os ingressos. Comecei a pensar em qual lugar do estádio, eu gostaria de ficar. Como já havia assistido ao show de Paul em 1990 no Maracanã nas cadeiras numeradas, mas que ficavam no lado oposto do palco, resolvi que desta vez seria mais de perto – bem mais de perto!
A opção passou a ser uma só: o ‘Gramado Prêmium’, apesar do preço salgado!

No dia marcado para o começo das vendas, você tinha que escolher: enfrentar uma fila nas bilheterias do Beira-Rio ou entrar num site para adquirir os ingressos.
 Ás 8 horas da manhã do dia marcado, eu estava trabalhando, e me atrasei um pouco para entrar na internet. Quando me dei conta já havia passado mais de 10 minutos.
Acessei o site, e sem maiores transtornos fiz a compra – graças a Deus sou sócio do Inter -, e ainda recebi a visita de meu amigo Rogério, que estava tendo problemas com seu navegador em casa, e correu para a loja onde efetuamos também a sua compra.
O próximo passo seria a retirada das entradas no Beira-Rio. O começo das entregas estava marcado para o dia 20 de outubro. Partimos eu e o Rogério para Porto Alegre no sábado, dia 23, com nosso amigo Luisinho, ansiosos para termos logo o ingresso nas mãos.


A visita ao portinho serviu também para uma visita aos shoppings, onde adquiri várias peças ‘beatlemaníacas’ como camiseta, bottom, fivela para cinto, etc... Tudo com a marca da Apple!
Pronto, estava equipado para o show!!

Consegui com meu amigo Márcio, o setlist do show com alguma antecedência, e senti que sem dúvida este seria um dos melhores concertos da história.

No dia anterior ao evento, embarcamos num ônibus rumo à capital, para a missão mais importante dos últimos tempos: assistir Paul McCartney e sua banda!

Porto Alegre estava agitada. Os hotéis lotados, bares e shoppings cheios! No sábado à tardinha tomamos a direção do Sheraton Hotel, onde Paul e sua equipe se hospedaram. O movimento em frente era grande. Gente de todas as idades, fãs, fotógrafos e curiosos se empurravam para tentar ver o que acontecia dentro do hotel.
Descobri que estava acontecendo até um casamento naquela hora, pois dali a pouco a noiva saiu em um dos carros, sendo vaiada por quem achava que poderia ser o Macca. Vi gente que chegava para jantar, tendo reservado mesas, mas que na verdade queriam mesmo era poder se aproximar do seu ídolo.
A multidão foi recompensada, quando por voltas dás 20.30 hrs., McCartney entrou em um carro preto no saguão do hotel e saiu acenando para a galera.
Confesso que só vi seu braço para fora do carro!
Logo depois, um jovem se aproximou chorando, e disse para a sua namorada que havia conseguido tocar na mão de Macca! Acredito que ele nunca mais irá lavar essa mão!


Após esta epopéia, rumei com meus amigos, a Sonia e o Miguel para a Cidade Baixa, onde ficava nosso hotel, e lá fomos ‘aquecer’ para o dia seguinte.
A noite foi cheia de ‘conversas beatles’, sobre qual era a melhor banda do Paul, o que ele iria cantar, que horas iríamos para o Beira-Rio, etc..
Neste papo estavam presentes também, meu amigo Fábio e sua esposa Bianca, e o Rafael, filho do Rogério.


No dia 7, domingo, acordei um pouco nervoso! Faltavam poucas horas para o grande acontecimento. Almoçamos ali perto do hotel, e fui para o quarto descansar e me concentrar para o momento tão esperado.

Após uma bela soneca, acordei assustado e vi que já eram 15.30 hrs. Rapidamente me ajeitei e junto da Sonia e do Miguel corri para pegar um táxi. Chegamos ao estádio pouco depois dás 16 horas, e já havia fila para todos os lados.
Aguardamos pacientemente que os portões fossem abertos, o que só ocorreu próximo dás 18 horas.
Enfim, estávamos dentro do Beira-Rio, pisando em um lugar histórico e de tantas alegrias, e que naquela noite iria me proporcionar talvez a maior delas.
Logo nos acomodamos sentados perto do palco, eu diria que a distância não era maior do que 15 metros.


O calor era insuportável, sol na cara, ficamos mal-acomodados no chão, mas tudo valeria a pena! Nos telões começaram a passar filmes e imagens da década de 60, até quase a época atual, deixando claro que estava chegando a hora.

Exatamente ás 21,10 hrs, Paul McCartney subiu ao palco!

                                          


                                             2ª Parte   -   SHOW


É impossível descrever a euforia e a emoção que Paul McCartney despertou com sua entrada no palco. As pessoas a minha volta começaram a gritar: ‘Paul, Paul, Paul...’!!
Chego a pensar que ele também está emocionado! Depois ouvi um comentário dele de que foi sua melhor apresentação na América Latina e que a excitação dos fãs jovens ( obrigado pelo ‘jovens’, Paul ), lembrou a ele a época da Beatlemania!

Como estava previsto no setlist Paul abriu com ‘Venus and Mars’/’Rock Show’/’Jet'! Que bela introdução para um concerto. A vibração estava demais.
*

Quando ele terminou, a galera enlouqueceu de novo e ele emendou ‘All My Loving’! Um dos primeiros sucessos dos Beatles, esta música entrou na setlist de McCartney a partir de 2002, e desde então ele sempre a toca.



Veio então para mim, um dos melhores momentos da noite. ‘Letting Go’, que eu estava aguardando há muito tempo. Ele só a havia tocado ao vivo com o Wings na turnê de 1976, antes dessa ‘Up and Coming Tour’! Que arranjo perfeito, que música! O solo de Brian Ray no final, substituindo os metais da versão original é antológico.
Outra parte que me chamou a atenção, foi as duas músicas que fizeram parte do álbum do ‘Fireman’, especialmente a ‘Sing the Changes’, outro belo trabalho em conjunto da banda.
Considero sem sombra de dúvida, esta banda atual a melhor que Paul já teve.
 Os caras estão alegres o tempo todo, parecem adorar o que fazem! Rusty Anderson, é um guitarrista que pega pesado, sem grandes firulas. O que dizer de Abraham Laboriel Jnr.? O cara a todo momento parece que vai despedaçar a bateria e ao mesmo tempo é sutil nos momentos certos.


Do clássico álbum ‘Band on the Run’, também se fez presente a canção ‘1985’, que entrou recentemente na lista dos shows. Ela tem um trabalho muito bonito de Paul no piano e contribuiu para agitar ainda mais o espetáculo.

A década de 70, quando muitos desprezavam o trabalho de McCartney continuou firme com ‘Let’em In’, com um visual fantástico nos telões atrás do palco e Anderson arrasando no final da música.
Impossível não se destacar a homenagem de Paul a seus dois ex-parceiros, John Lennon e George Harrison.
Para John, ele resgatou a música ‘Here Today’ do disco ‘Tug of War’ de 1982. Um Paul emocionado canta nesta música como se seu querido amigo, estivesse ali ao seu lado.
Em ‘Something’ Paul começa no ukelêle, e depois a banda entra com tudo. Uma das melhores versões ao vivo que já ouvi dessa canção. Penso que George ficaria orgulhoso.


Paul, do baixo, passava para a guitarra, então para o piano, depois voltava pro baixo, e então era a vez do violão!!! Não consigo lembrar de alguém que já tenha feito isto num palco!!
Uma canção que eu também esperava com ansiedade era ‘Ob-la-di Ob-la-da’ dos tempos do ‘Álbum Branco’. Paul anunciou que era a primeira vez que era tocada no Brasil, de fato ele à incorporou este ano para as turnês. O pianinho de abertura é inesquecível.


Foram simplesmente 36 canções apresentadas!! 36 sucessos inquestionáveis!! Quem teria isso pra mostrar?? E todas apresentadas com força, com garra, com tesão de um garoto de 68 anos!
E a simpatia do cara? Desde o ‘Boa Noite Porto Alegre’ até os termos gauchescos que aprendeu ( dizem que teve uma aula intensiva antes do show ), ‘tri-legal’, ‘bah tchê’, etc... O cara esbanjava alegria e profissionalismo.

Para quem prefere os clássicos dos Beatles, ele tinha muita munição: ‘Blackbird’, ‘Eleanor Rigby’ (cantei junto), ‘Hey Jude’, ‘Get Back’ e ‘Yesterday’ se fizeram presente!
Para quem preferia rock pesado, também havia muitas opções: ‘Back in the USSR’, ‘I’ve Got a Feeling’, ‘Helter Skelter’ e a matadora ‘Live and Let Die’!!
Para os amantes das baladas não saírem decepcionados, pudemos ouvir: ‘My Love’ ( dedicada a todos os namorados ), ‘The Long and Winding Road’, ‘And I Love Her’ e ‘Let It Be’.


Alguém já disse que os Beatles não tem idade. Todos são mais cedo ou mais tarde atingidos por sua música, mesmo que não saibam.
Eu vi no estádio senhores e senhoras de 70 anos, no campo, se espremendo para poderem ver Paul melhor! Vi garotos de 16 anos vibrando e pulando como se ouvissem aquelas músicas desde os anos 60. 


O Márcio, que estava na arquibancada, me contou que quando Paul estava cantando ‘Let Me Roll It’, uma estrela cadente cruzou os céus de Porto Alegre.
Certamente ela deve ter sido avisada da presença de Paul McCartney no Beira-Rio, e veio tomar seu lugar, talvez nas águas do rio Guaíba, conspirando para tornar esta noite ainda mais mágica!

Amigos, confesso que vi!!

7 comentários:

Márcio Grings disse...

É! Noite mágica. Parabéns pelo relato, Eduardo. Abs

Débora disse...

Dado: que lindo e preciso o teu registro, daquele que foi o maior show da minha vida!!

cris disse...

Dado, eu ia te ligar pra saber tua opinião sobre o show do Paul, mas está tudo aqui no blog. Máximo! Beijo, Titina

Ana V. disse...

Dado, parabéns pela belíssima descrição. Vc sabe descrever emoção como ninguém.

Eduardo Lenz de Macedo disse...

Valeu Ana!! Respeito muito sua opinião!! Volte sempre!

Lucinha Beatle disse...

Perfeito o seu relato, Dado.
Eu também confesso que vi!

Eduardo Lenz de Macedo disse...

Pois é, Lucinha Vimos!!!