Total de visualizações de página

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

The Paul McCartney Collection - 'McCartney' - 1970


Os Beatles chegaram ao fim oficial em 1970! O culpado? Este álbum de Paul, chamado 'McCartney'! Porque? Porque nele havia uma entrevista com perguntas formuladas e respondidas pelo próprio sir Macca!
Nela Paul deixava bem claro que não queria mais gravar com seus companheiros por diferenças 'musicais, profissionais e pessoais'! Precisava mais? Acho que não!!


A vida seguiu seu curso, e Paul o dele! Sejamos justos, o cara sempre foi o que mais lutou pra manter os Beatles juntos. Ele era o que mais curtia tocar com os caras. Quando viu que não havia mais jeito, partiu para seu projeto solo!
Paul começou, fazendo o que ele imaginava que seria legal para os Beatles: voltar ás raízes. Ele queria um som mais despojado, queria shows ao vivo, queria sentir de novo o calor de uma plateia, coisa que os Beatles ignoraram desde 1966.  


A incomodação com os ex-parceiros deve ter sido tanta que McCartney, simplesmente resolveu gravar seu álbum de estreia sózinho!
Nada de músicos de estúdio, nada de amigos, nada de orquestras, somente ele, seu baixo, seu violão, sua guitarra, seu piano, sua bateria ( só ?? )!! Ahhh e Linda McCartney ajudou em algumas harmonias, e clicou o álbum.
O disco chegou ao número 1 nos EUA! Apesar disso, não era o que a maioria das pessoas e fãs esperavam. Tampouco seus ex-parceiros ficaram satisfeitos. A crítica rolou solta! Chamaram o disco de 'ruim' pra dizer o mínimo. 


George Martin comentou que Linda não era substituta para John Lennon. E o próprio Lennon disse que Paul faria algo melhor 'quando obrigado'!!
Mesmo assim, podemos notar algumas coisas boas presentes neste trabalho. Ele foi totalmente descompromissado, caseiro, gravado numa tape machine de 4 canais, e isso por si só foi sua maior qualidade.
A abertura com 'The Lovely Linda', uma vinheta que Paul nunca concluiu, mostra bem a tônica do disco. Pra escancarar ainda mais a ideia da falta de cuidado, Linda entrou no 'estúdio caseiro' quando Paul gravava e ouvimos a porta rangendo e as risadas dos dois.... Tudo isso ficou na gravação.
O track list ficou assim:


Lado 1

  1. "The Lovely Linda" – 0:42
  2. "That Would Be Something" – 2:37
  3. "Valentine Day" – 1:40
  4. "Every Night" – 2:30
  5. "Hot as Sun/Glasses" – 2:06
  6. "Junk" – 1:54
  7. "Man We Was Lonely" – 2:57

Lado 2

  1. "Oo You" – 2:47
  2. "Momma Miss America" – 4:04
  3. "Teddy Boy" – 2:22
  4. "Singalong Junk" – 2:34
  5. "Maybe I'm Amazed" – 3:49
  6. "Kreen-Akrore" – 4:14
Os bons momentos foram como sempre onde o Paul melódico aparece. 'Junk', era uma pequena peça musical de primeira, apesar de ficar escondida no álbum. Paul trabalhava nela desde 1968, na India. Acabou a deixando também meio inacabada.
'Maybe I'm Amazed' se impõe por si só! É até hoje uma das grandes canções de Macca, tocada muitas vezes ao vivo em seus concertos. Seu solo de guitarra é até hoje reverenciado por outros guitarristas.
A instrumental 'Momma Miss America' serve para Paul demonstrar sua bela técnica ao piano. Para quem não sabia ainda, ele era 'o cara' do piano nos Beatles!


Outra duas que se melhor trabalhadas ficariam mais apresentáveis eram 'Every Night' e 'Man We Was (sic) Lonely'. Mas entraram no clima rústico do disco.
Paul apresentou até uma outra instrumental do tempo do 'Quarry Men' chamada 'Hot as Sun', junto a outra 'canção' apelidada de 'Glasses' na qual ele esfrega taças de vinho ( podia tb ser de champagne ) uma contra a outra!!


Bom amigos, eu gostei do álbum! Não se pode compará-lo a outros mais bem trabalhados, é claro, mas ele tem seu charme. 
Na comparação com os outros Beatles, Paul saiu perdendo em 1970.
George Harrison investiu tudo em seu álbum de estreia que se chamaria 'All Things Must Pass', álbum triplo, com músicos top de estúdio e figurinhas do calibre de Bob Dylan e Eric Clapton o ajudando, além da produção espetaculosa de Phil Spector.
John Lennon começaria com um de seus melhores trabalhos, o intimista e primal 'Plastic Ono Band', em que as letras fariam a diferença, e no qual ele apregoaria o fim do 'sonho'!


McCartney não se preocupou com isso. Ele queria começar do zero! Seus próximos passos seriam ir a Nova Iorque gravar um álbum em que ele e Linda dividiriam os vocais, e depois voltar a fazer o que mais curtia... Tocar numa banda!

Dá-lhe Macca!!

6 comentários:

Alice disse...

Eu não toco nada, não canto nada e até pra andar desafino... então, tirou som de cx de fósforo, pra mim, é músico!

Queria saber um pouco da história dos críticos... julgam baseado em que? Nos seus próprios dons musicais? Será que são capazes de fazer melhor?

É... facil é ser pedra, ser vidraça é o que é...

Eduardo Lenz de Macedo disse...

Pois é, né Alice. Os críticos estão sempre julgando o trabalho dos outros... Eu como detesto julgar os outros, não daria certo como crítico!
Nessa época do início dos anos 70 Paul foi esculachado por todo mundo, por segundo os críticos ter acabado com os Beatles ( dividiu com Yoko essa 'culpa'), e quando ele lançou este trabalho 'simples e caseiro', aí sim, todo mundo caiu em cima!
Eu sempre defendi esse disco!

Alice disse...

Eu fico impressionada com a carga histórica que existe em um único disco... quanta informação! Eu sou capaz, apenas, de escutar a música e dizer se eu gosto ou não...
Se eu gostar, pode contar que vou ouvir vez após vez, repetidamente sem enjoar...

Debbie disse...

Um dos que mais curto do Paul - lindo e simples!! Só de ter a 'Maybe I'm Amazed', já valeu! !Every Night' e "Junk' - lindas, delicadas!!'Momma Miss America', curto demais, adoro a 'brincadeirinha do piano, o solo de guitarra!
Amo!!!

Debbie disse...

E Alice - se você fica impressionada com a 'carga histórica' e 'informação', está no blog certo!! Este 'blogueiro' é uma enciclopédia viva e grande parte do que compartilha aqui é de cabeça, acredita?? E se você curte tudo isso mesmo, te recomendo o 'Alto & Bom Som..." dele!
(Dado, depois a gente acerta a comissão...)

Eduardo Lenz de Macedo disse...

Quanto???