Total de visualizações de página

quinta-feira, 14 de abril de 2011

Walden - A Casa do Lago!


Não tem jeito, volta e meia eu acabo voltando a ler alguma coisa relacionada à natureza ou a estrada, ou algo parecido.
De Henry David Thoreau eu já havia lido alguma coisa, lembro bem do livro 'A Desobediência Civil', muito mais um manifesto. O que 'Walden' também não deixa de ser.
Ontem estava assistindo um filme chamado 'The Sandpiper' ( Adeus às Ilusões ), com Richard Burton e Elizabeth Taylor. A personagem de Liz é uma artista incoformada que cria seu filho pequeno em uma pequena casa na beira de uma praia deserta. O pastor ( Burton ), leva o menino para sua escola e se apaixona pela mãe do garoto. Na verdade ele se apaixona pelo seu modo de vida, e cita Thoreau, cita 'Walden'!


A L&PM disponibilizou uma edição de bolso deste livro. A apresentação, como não poderia deixar de ser, é de Eduardo 'Peninha' Bueno. Ele comenta: "Thoreau foi único, solitário e inimitável.".... "Misantropo, misógino, radical e irredutível, parecia cultivar a inconveniência como virtude."


H. D. Thoreau salta aos olhos para mim, como o primeiro grande ecologista, um cara que se preocupava com a natureza, e que,  naturalmente, se preocupava com as pessoas. Ele extraía tudo o que precisava do mato, mas sem colocar uma armadilha. Quando necessitava de companhia - Thoreau não era uma ilha - caminhava até o povoado mais próximo, e o máximo que se permitia era ficar algumas horas, antes de voltar ao seu retiro as margens do lago Walden. Thoreau desprezava o sistema, sabe-se que nunca pagou um imposto na vida, o que lhe custou alguns dias na prisão!


Vou deixar vocês, meus amigos, com as palavras dele, na página do livro que estou neste momento:

"Não é quimera minha
Para adornar uma linha;
De Deus e do Céu vou me acercar
Tendo em Walden modelo exemplar.
Sou a margem que o rodeia
E a brisa que por ele passeia;
Na concha da mão abrigo
Suas areias e águas comigo,
E seu mais profundo recesso
Ocupa na mente lugar excelso."

[It is no dream of mine,
To ornament a line;
I cannot come nearer to God and Heaven
Than I live to Walden even.
I am its stony shore,
And the breeze that passes o'er;
In the hollow of my hand
Are its water and its sand,
And its deepest resort
Lies high in my thought]

2 comentários:

Alice disse...

E eu achando que rimas em poesia era brega... vou continuar rimando...

hehehhe

Debbie disse...

Muito interessante, Dado! Obrigada por compartilhar!!